1999: Reitoria 2000

mini_reitoria_2000mini_reitoria_2000

det_reitoria2000det_reitoria2000
linkproj_livro_institlinkproj_livro_institArquitetos: Sylvio E. de Podestá, Mateus Pontes e Saul Vilela
Local: Campus da UFMG, Belo Horizonte, MG
Projeto: 1999 | Área: 290,00 m2


Proposta de intervenção e acréscimo em um dos ícones da arquitetura moderna mineira, o Edifício da Reitoria da UFMG, projetado em 1957 por Eduardo Mendes Guimarães, Gaspar Garreto e Ítalo Pezutti, instiga dois discursos: um que preserva e outro que preserva interferindo.

É inegável o valor do edifício no contexto moderno mineiro e brasileiro bem como a obra dos arquitetos envolvidos. O edifício, um exemplar “leverniano” composto da plataforma horizontal (com pátio interno) e torre vertical levemente deslocada, vinha passando por algumas intervenções como a colocação de imensos brises na fachada oeste e uma estranha escada de incêndio. No mais, uma recente reforma recuperou seu imenso e bem desenhado hall/salão, que articula todos os espaços térreos públicos e permite acessos verticais.

O projeto apresentado é uma espécie de ampliação destes serviços térreos e novo articulador/recepção das atividades que ali acontecem como exposições e eventos, possibilitando maior área coberta entre estes eventos, além de interliga-los com mais eficiência e conforto.

A área reservada para este novo espaço é o pátio interno/jardim existente no bloco horizontal, hoje subutilizado. Preocupou-se em dar a esta inserção uma espécie de autonomia física e formal, caracterizando-a como inserção efetiva, deslocada das paredes ortogonais do pátio, transparente, permitindo visuais entre alas como originalmente acontecia e protegida da incidência solar por um grande brise curvo, móvel, que acompanha os movimentos do sol de forma programada.

Com altura equivalente a quatro andares do edifício existente, a nova construção/inserção aflora acima da cobertura plana do edifício horizontal, algo como uma grande luminária que se torna mais contundente à noite e acessa.

Construído em estrutura tubular de aço e vidros laminados, inclusive teto que recebe tratamento silkado para diminuir a incidência solar. Será necessário produzir uma ventilação forçada de circulação do ar interno, além dos brises horizontais móveis. Não é local totalmente adequado aos dias muito ensolarados, talvez espaço de noites especiais e céus estrelados.

O piso é um mosaico em pastilha da figura de um caramujo, solução semelhante a da agência Sofia que diz assim chamar para para não se chamar Maria das Dores.

Copyright